Cachoeira Usina Velha, um ótimo passeio em Pirenópolis

por | set 22, 2022

Início » Blog » Cachoeira Usina Velha, um ótimo passeio em Pirenópolis

A cachoeira Usina Velha, em Pirenópolis, é linda e tudo nela chama a atenção, desde a trilha agradável para checar até ela, passando pela charmosa ponte pênsil que você tem que cruzar, até os seus vários níveis e quedas d’água. Foi uma excelente programação para fazer com a família, e vamos te contar tudo aqui.

Queda d'água da cachoeira Usina Velha

Queda d’água da cachoeira.

Nós 4 na ponte pênsil da cachoeira Usina Velha

Nós 4 na ponte pênsil.

 

Como chegar na cachoeira Usina Velha

A maioria das cachoeiras de Pirenópolis ficam próximas do centro da cidade e são muito fáceis de visitar de carro. Já falamos por aqui da cachoeira do Abade e da Santa Maria, e ambas ficam na mesma direção. Do centro da cidade, você segue a rodovia Parque dos Pirineus para chegar até elas.

A diferença principal é que a Usina Velha fica mais perto. Se para chegar na Abade e na Santa Maria é necessário pegar aquela já conhecida estrada de terra, o mesmo não acontece com essa, já que ela fica localizada antes do fim da parte asfaltada da rodovia Parque dos Pirineus.

Poço principal da cachoeira Usina Velha

O belo poço principal.

Ponte pênsil na cachoeira Usina Velha

Ponte e o espaço onde ficamos a maior parte do tempo.

 

Do centro da cidade, são cerca de 5km, ou seja, é bem fácil chegar lá. A maior parte do caminho é no asfalto e você só pega estrada da terra ao sair da rodovia e virar à esquerda para acessar a Estrada das Cachoeiras (nome bem original, não? 😄) para entrar na reserva onde ficam as quedas da Usina Velha e também da Meia Lua (que não visitamos).

 

O valor da entrada é individual por cachoeira

O preço da entrada é R$40, mas antes que você fique animado achando que poderá visitar todas as belezas da região, já vou te dando a má notícia: o ingresso só vale para visitar uma das cachoeiras da reserva; se quiser conhecer as duas, terá que pagar duas vezes.

Não entendemos muito bem porque eles optaram por esse modelo, que é diferente das outras cachoeiras da região: normalmente, quando você entra na reserva ecológica, tem direito a visitar todas as cachoeiras (por exemplo, lá no Abade são 6). Enfim, não adoramos essa limitação, mas vida que segue.

Estrutura na cachoeira Usina Velha

A estrutura dessa cachoeira é mais simples do que a da Santa Maria. Comparada com a do Abade então, nem se fala. O estacionamento é uma grande área de terra e há apenas uma pequena lojinha onde você deve mostrar o seu ingresso.

Depois disso, é só seguir uma trilha curtinha (curta mesmo, como mostramos no vídeo abaixo) até chegar na ponte pênsil que passa por cima do rio formado pela cachoeira.

Ponte pênsil na cachoeira Usina Velha

Passando sobre a ponte.

Família sobre a ponte pênsil

Na ponte.

 

Essa ponte já foi uma diversão com os meninos, eles adoraram passar por ela e se sentiram super aventureiros. 🙂

Na cachoeira em si, a situação se inverte e achamos que ela tem algumas vantagens em relação às outras. Isso porque ela tem vários “níveis”: bem perto da ponte, a água corre mais suave e é um bom lugar para ficar com as crianças. Por outro lado, de lá não dá pra ver toda a beleza da queda d’água.

Crianças brincando perto da água

Meninos brincando sob a ponte.

Ben olhando pro lado com a queda d'água atrás

Ben e seu caminhão inseparável lá na cachoeira.

 

Se você sobe um pouco mais, chega no poço principal, onde a maioria das pessoas fica. Essa é a parte mais bonita, na nossa opinião, e dá acesso ao poço e a uma das quedas d’água.

Bruna no poço principal da cachoeira Usina Velha

Bruna no poço principal.

Queda d'água da cachoeira Usina Velha

Queda d’água da cachoeira.

 

Mas ainda dá pra subir um pouco mais e ter uma vista privilegiada da região. Sem muito esforço, é possível acessar a parte acima da queda d’água lateral e alcançar outra queda, bem mais forte. Algumas poucas pessoas ficam ali em cima, um pouco mais isoladas dos demais.

Detalhe da força da água batendo em rochas

Detalhe da força da água.

 

Várias experiências em um mesmo lugar

Gostei dessa disposição da cachoeira, por passar a impressão de que você tem experiências bem diferentes em um mesmo lugar. Nós optamos por ficar a maior parte do tempo lá no início, pertinho da ponte, onde era melhor pros meninos. Mas exploramos toda a área e achamos muito agradável.

Outra diferença em relação à maioria das cachoeiras é que lá quase não tem areia, já que o chão é praticamente todo em pedra. E também por isso, é bem mais irregular.

Ponte e área de descanso

Lugar onde ficamos lá na cachoeira.

 

A hora da visita faz diferença?

Já falamos sobre isso nos posts das outras cachoeiras de Pirenópolis. A resposta simples é sim, faz bastante diferença!

E sentimos isso na pele dessa vez. Se na cachoeira do Abade e da Santa Maria, conseguimos chegar cedo e aproveitar um tempo só nosso lá, o mesmo não aconteceu na cachoeira Usina Velha. Atrasamos para sair de casa, entramos na cachoeira por volta das 11hs e ela já estava mais cheia.

Não estava lotada, mas fomos em um dia de semana e, até por isso, achamos que lá estaria bem vazio.

Ok, a cachoeira não estava super cheia e como ela é mais espalhada, isso não foi um fator negativo. Mas por outro lado, ficamos com a impressão de que, se tivéssemos ido em um sábado ou domingo, a situação teria sido bem diferente.

Então a nossa sugestão continua: chegue o mais cedo possível!

 

Acessibilidade na cachoeira Usina Velha

A acessibilidade lá não é das melhores. Por um lado, a trilha é bem curtinha até chegar na cachoeira, são menos de 200 metros. Por outro, o caminho não é plano, tem a ponte pênsil e as enormes pedras da cachoeira deixam o terreno todo bem irregular.

Não é um problema para levar crianças que andam, mas nem pense em levar carrinho. Pessoas com mobilidade limitada também podem ter dificuldade.

 

Vale a pena conhecer a cachoeira Usina Velha?

Na nossa opinião, sim!

Se, por um lado, a estrutura fora da cachoeira não é tão boa, por outro, a experiência ao chegar lá é bem diferente, com suas grandes pedras, diferentes níveis e um espaço ótimo para as crianças, especialmente na parte mais baixa da cachoeira, perto da ponte.

Ponte e área de descanso

Lugar onde ficamos lá na cachoeira.

 

Os meninos também adoraram a tal ponte pênsil, a queda d’água é super fotogênica e o espaço é bem amplo, já que ela não fica toda concentrada em torno do poço principal.

Para variar, a água é bem fria, como na grande maioria das cachoeiras. Não espere Caldas Novas. 😉

Bruna no poço principal da cachoeira Usina Velha

Bruna no poço principal da cachoeira Usina Velha

 

Qual é a melhor época para visitar?

Temos repetido isso em todos os posts: como é o caso com a maioria das cachoeiras, a Usina Velha muda durante o ano. Na época da seca (de maio/junho até setembro/outubro), a queda d’água vai ser menos intensa. Na época das chuvas a partir do final do ano, acontecerá o contrário.

Fomos em abril e o volume de água era bem grande, então achamos que foi uma boa época.

Além disso, é sempre melhor visitar cachoeiras num dia de sol. Fique sempre de olho na previsão do tempo.

 

Você também pode acampar

Essa cachoeira tem o diferencial de você poder acampar perto dela. O camping Sombra da Mata cobra R$70, caso seja algo que te interesse.

 

Informações adicionais sobre a cachoeira Usina Velha

Perfil no Instagram

Preço: R$40

Acampamento: R$70

Horário de funcionamento: Todos os dias, de 9:00 às 17:30hs

0 comentários

Enviar um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.